domingo, 6 de setembro de 2015

Mortos na Sé: "Polícia deixou protocolo de lado e partiu para execução", afirma diretor da OAB



O diretor da Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo, Martim de Almeida Sampaio, criticou a ação da Polícia Militar que resultou na morte de duas pessoas nas escadarias da Catedral da Sé, região central de São Paulo, na tarde desta sexta-feira (4). Um vídeo gravado por testemunhas mostra o momento em que uma mulher é feita refém por um homem armado. Em seguida, um morador de rua interfere na ação para render o bandido e leva dois tiros. Policiais que acompanhavam de longe dispararam, então, mais de 20 tiros no sequestrador. Para Sampaio, a PM errou desde o início da ação, pois não fez um cordão de isolamento na área, o que permitiu a intervenção do morador de rua. — Depois (do isolamento), teriam que tentar a negociação com o bandido para a vítima sair do local com vida. A polícia deixou de lado o protocolo e partiu para a execução, infelizmente. Sampaio afirma que a polícia, ao efetuar os tiros, deixou de exercer o uso legítimo da força para iniciar uma execução. O advogado alerta para o fato de que as pessoas que estavam assistindo à ação foram expostas. Ele avalia que a polícia de São Paulo convive muito mal com o Estado democrático de direito. — [A polícia] não esclarece e não presta contas para o público. Toda semana vemos notícias de pessoas sendo executadas. A população apoia de fato, mas até ser uma vítima da execução da PM. Para o diretor, a violência, quando parte do Estado, tende a virar um espiral em crescente. — A cada volta, a cada movimento, ela se torna mais violenta. O próximo momento será tanto quanto ou mais violento do que esse. E quem fica no meio disso é a população.

Opinião do Blog:

Engraçado  como a OAB tenta a todo custo denegrir a imagens das corporações militares. Não  sei a quem isso interessa. As imagens são claras que a ação  policial foi legítima, ou seja agiram em defesa da integridade física de outrem e da própria integridade.  Ou será que o Presidente não  sabe enumerar as possibilidades de Legítima Defesa trazidas a luz do Código  Penal brasileiro?

O que nos preocupa é  como algumas autoridades tem usado os cargos que ocupam  em prol de interesses próprios.  Com tanta coisa acontecendo de mais grave e a OAB querendo ganhar notoriedade com um caso como este. Fazer o que né.  Afinal estamos nos Brasil, país  em que os interesses são  mesmos  escussos.


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 comentários:

Postar um comentário