quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Princípio da insignificância e rompimento de obstáculo





A 2ª Turma denegou habeas corpus em que requerida a aplicação do princípio da insignificância em favor de condenado por crime de furto qualificado com rompimento de obstáculo (CP: “Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. ... § 4º - A pena é de reclusão de dois a oito anos, e multa, se o crime é cometido: I - com destruição ou rompimento de obstáculo à subtração da coisa”). Na espécie, a defesa sustentava a atipicidade material da conduta, haja vista que a res furtiva fora avaliada em R$ 220,00. Na linha da jurisprudência firmada pela 2ª Turma, ratificou-se a inviabilidade da incidência do referido postulado aos delitos contra o patrimônio praticados mediante ruptura de barreira.

HC 109609/MG, rel. Min. Gilmar Mendes, 27.9.2011. (HC-109609) 2ª Turma.

FONTE: Informativo do STF n.º 642
← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 comentários:

Postar um comentário