quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Minas Gerais gasta menos com Segurança Pública do que o Estado do Acre




Do total da verba investida na segurança pública em Minas Gerais, 96% vai para o pagamento de salários de policiais da ativa e aposentados, custeio de unidades penitenciárias e gastos com os demais servidores. O policiamento (ações de rua e investigações), por sua vez, fica com apenas 2,3% dos recursos. Minas aparece em 14° lugar no ranking dos Estados nesse tipo de investimento, atrás até do Acre, que tem uma população 25 vezes menor que a de Minas. Os dados estão no Anuário Brasileiro de Segurança Pública, que mostrou ainda uma queda de 38,6% no montante destinado ao policiamento do Estado entre 2013 e 2014.

No levantamento, Minas aparece como o Estado que mais aumentou o gasto geral com segurança pública. O valor passou de R$ 5,9 bilhões para R$ 10 bilhões, uma alta de 68%. Porém, a maior parte do que é investido no Estado está ligada ao custeio da estrutura atual, e não a políticas de combate à criminalidade.

Dos R$ 10 bilhões investidos no ano passado, R$ 3 bilhões foram para o pagamento de policiais aposentados. Outros R$ 6,6 bilhões para salários de policiais da ativa e demais servidores, além do custeio das unidades de segurança pública, incluindo a verba para manutenção do sistema prisional. Juntos, eles representam 96% de tudo que é gasto com segurança pública no Estado.

Já o gasto com ações de policiamento foi de R$ 237 milhões, 38,6% menor que o total de R$ 386 milhões investido no ano anterior. Na comparação com os demais Estados, Minas ocupa apenas a 14ª colocação, mesmo tendo a segunda maior população do país, com 20,8 milhões de habitantes. Até mesmo o Acre, que tem 800 mil moradores, gastou mais em policiamento.

Uso. O coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, Robson Sávio, avalia que Minas gasta muito, mas usa mal os recursos. “Houve uma política de fortalecer a repressão em detrimento dos programas de prevenção. Essa forma de investimento tende a só aumentar o gasto com custeio. Aumenta a população carcerária, e o Estado vive hoje uma crise de superlotação nesse sentido. O custeio das unidades policiais também só vai aumentar, sem que isso gere uma redução na criminalidade”, explica.

O levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública é referente a 2014, durante o governo de Antonio Anastasia e Alberto Pinto Coelho. Procurada, a atual gestão da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) não informou se houve uma mudança na diretriz de investimentos para este ano. Segundo o site de transparência do governo do Estado, em 2015 já foram destinados para a segurança pública R$ 10,1 bilhões, valor maior que o gasto de todo o ano passado.


 Orçamento 2016

 O governo de Minas apresentou nesta quarta a proposta de orçamento para o ano que vem. No eixo de segurança, estão previstos R$ 4,8 bilhões, mas não há detalhes do que está incluído no valor.


Estado é 3° em gasto com inteligência

Apesar do desempenho ruim de Minas com relação aos gastos com policiamento, o Estado se destacou no que diz respeito aos investimentos em informação e inteligência. Nesse quesito está, por exemplo, a aquisição de equipamentos mais modernos de perícia.

Minas Gerais gastou R$ 108 milhões em 2014, atrás somente de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Mesmo assim, esse tipo de investimento representa apenas 1% do total gasto no Estado. Já nas ações de Defesa Civil, Minas investiu no ano passado R$ 27 milhões, o que representa 0,2% do total.

Fonte: Jornal O tempo


← ANTERIOR PROXIMA → INICIO

0 comentários:

Postar um comentário